domingo, 22 de fevereiro de 2009

Breve História do Dungeons & Dragons, Parte 1



Como jogador da primeira edição (jogo desde os 8 anos de idade com a caixa da Grow, o único tão idoso assim que conheço é Hugo), vou tentar lembrar a evolução desse jogo mara que todo mundo ama ou odeia, mas até quem nunca jogou RPG (ou Wargame) conhece. E o que eu esquecer a Wikipedia lembra.


Chainmail Terceira Edição, 1975!Era uma vez um ano de 1974, e três tiozinhos (incluindo Tio Gigax e Tio Arneson) jogavam Chainmail, um jogo de estratégia da Lake Geneva Tactical Studies Association. Quando um dos três fica com apenas um soldado tentando invadir um castelo, após todas as defesas terem sido derrubadas, e o soldado podia entrar por uma brecha nas muralhas se a regra da casa não ditasse que havia sido uma derrota do exército atacante. Ninguém lembra quem era o mau perdedor, mas o fato é que o sujeito gritou revoltado: "Meu soldado encontrou uma passagem pelo esgoto/poço/whatever e invadiu o castelo!". Todo mundo achou estranho, mas decidiram continuar depois com a odisséia daquele único soldado no poço/esgoto/whatever.

Surge aí o D&D, adaptação do Chainmail onde cada jogador controla um só elemento e não um exército inteiro, com Tio Dave mestrando. Há também cada vez mais interesse em detalhar cenários e coisas do gênero, e surge Blackmoor, cenário que vai vir a fazer parte de Mystara. As campanhas em Blackmoor vão amadurecer a idéia que um ano depois vai vir a se tornar o Dungeons and Dragons da famosa Tactical Studies Rules, Inc. A versão lançada comercialmente, versão simplificada da usada por Arneson, é de autoria do Gygax, e se chamava "The Fantasy Game".


Em 1977, Gygax estende as regras para incluir todas as situações que já haviam surgido nas campanhas existentes e lança o AD&D, conjunto de regras avançadas. Controvérsias surgem entre o atual editor do D&D e Gygax, que decide tornar o AD&D um jogo por si só, marcando o nascimento do jogo de RPG mais louco da história da humanidade. Nunca se tinha certeza se 20 no dado era bom ou era ruim.

Ao contrário do que muita gente pensa, AD&D não substituiu o D&D. Os dois são jogos independentes e ligeiramente incompatíveis (as fichas de monstro são quase iguais, mas vai converter personagem além do quinto nível de um pra outro) desde 1978, de acordo com a Wikipédia e meia dúzia de artigos da Dragon e da Dungeon (em inglês, tenho da 1 até a 14 - morram de inveja).

Ficamos então com D&D, jogo de estratégia ultra-simplificado (já ouvi imbecilizado, mas prefiro dizer que era Chainmail for Dummies) e com cenários mínimos, e AD&D do outro lado, com cenários mais detalhados e regras ultra-confusas pra compensar. Mas o melhor ainda está por vir - a edição revisada do D&D de 1981 (acredito que versão da Grow era tradução do D&D 1981) trazia regras ainda mais completas (e complexas), que cobriam situações que o AD&D não cobria, deixando Tio Gygax possesso.

Nos próximos oito anos Gygax vai arregimentar colaboradores e inovar em diversos aspectos. Ele vai sair do Fantasia Medieval CTRL+C CTRL+V de Robert E. Howard (autor de Conan) e Tolkien para criar/divulgar cenários como Dark Sun, Ravenloft e Spelljammer (Star Trek medieval!), incluir elementos de mitologia clássica, e ser acusado de adorar o demo.

Graças a americanos paranóicos (desculpem o pleonasmo) e desocupados, a segunda edição revisada do AD&D vai excluir anjos, demônios, diabos, personagens malignos, meio-orcs, mulheres peitudas e tudo aquilo que podia fazer ele ser um pouco adulto. Pra compensar surgem baatezus, tanar'ri e devas, fonte das idéias do cenário Planescape, onde viagens astrais são coisas do dia-a-dia e informação vale mais que qualquer item mágico. Ao mesmo tempo que o jogo ficou mais infantil, cenários mais abertos para roleplay surgiram graças a "censura" auto-imposta. Aqui o AD&D começa a ficar interessante como RPG e largar de vez a abordagem de Chainmail for Dummies. Mas a tranformação em um RPG só vai se completar na edição 3.X.

To be discontinued...

(trechos do Dark Dungeon, quadrinhos cláaaassicos, pra terminar)





6 comentários:

Anão Picareta disse...

Ah aguns post atras tu tinha dito que começou as 9 anos??? Finalmente? Mas fácil tu dizer em qual ano tu começou a jogar....

Acho que vou por em prática algo penso desde que criei o blog: uma pequena Biografia RPGistica. Com os PCs que Marcaram (acho que seria uma area/titulo interessante do Blog) e com a história do D&D acho que fica o estimulo para isso....

E tb as pessoas podem saber mais sobre mim e o RPG, acho que ajudfa o grupo a se "conhecer melhor"...

nerdcore disse...

Muito legal essas histórias da "pré-história" do RPG. Recomendo para todo mundo o livro "30 years of adventure" que conta diversos fatos da longa jornada do DnD além de trazer relatos de jogadores famosos.

Meu Nome É Tonho disse...

30 anos de D&D do VIN DIESEL!!!

Nunca vou ler um livro do Triplo X!
(eu encomendei na Amazon, mas não vou ler)

Dellirium disse...

Legal XD Tem mais quadrinhos desse Dark Dungeon em algum lugar ou a história acaba quando Debbie encontra Zejuis? Não posso aceitar esse fim, principalmente depois de ver que ela entrou pra um coven. Tem que ter mais (se possível, tem que ter outro final ¬¬)

PS.: As pessoas estão reparando pra onde vai o link "o demo"? XD

Anão Picareta disse...

eu vi :D:D:D

Renato Dantas disse...

Essa HQ é uma tremenda de uma mentira =O

Uma MULHER mestrando D&D já é algo muito raro, mas uma mesa com uma MESTRA e DUAS JOGADORAS é história da carochinha =P

Follow the New World Order

Follow the New World Order
Follow the New World Order