domingo, 14 de março de 2010

A Saga de Lawrence Black, Scion of Apollo

A Saga de Doc Black, Scion of Apollo
Ato 1, Capítulo 1: Prólogo


Boa noite, coronel. A recepcionista informou que procurava especificamente por mim no hospital. Estou certo que o objetivo de sua busca não reside apenas na esperança de que eu trate essa luxação no punho, nem tampouco em saber o motivo pelo qual ajudei aqueles arruaceiros sem-teto a fugirem pouco antes da explosão do caminhão-tanque que destruiu parte do prédio da prefeitura. Também não é preciso dizer que sabe que nada tive a ver com a explosão. Na verdade, ambos sabemos que o provável causador daquilo, indiretamente é claro, foi o senhor. Devo dizer que admirei sua coragem em encarar aquelas duas quimeras sozinho. Já deve ter passado por muita coisa difícil antes para ter sobrevivido com apenas esta leve contusão.

Ok. Vamos ao que interessa. Sou Lawrence Black, tenho Q.I 176, completei 14 anos há 17 dias, 5 horas e 41 minutos e acabei de me formar em medicina. Como percebeu após o término de seu combate, não sou um humano superdotado qualquer. Sou parte da prole de Apollo neste país e fui orientado pelo próprio a usar meu intelecto superior para preservar o máximo de vidas humanas que puder durante a Guerra. Esforço-me na difícil arte da interpretação das obscuras linhas do Destino, pois a partir dela consigo estar preparado com a estratégia perfeita a ser usada no lugar certo e no momento certo. Minhas habilidades inatas conduziram-me também na escolha da profissão médica, onde meus talentos terão precisa utilidade.

Hum? Ora, mas que curioso. Sua expressão facial revela que está me julgando um presunçoso arrogante. Diga-me, coronel, sendo o senhor também o filho de um deus, não se sente superior aos humanos que nos rodeiam? Talvez sinta vergonha desse sentimento, não posso adivinhar isso... ainda. Minhas análises e estatísticas, contudo, indicam esta como uma característica de nossa natureza semi-divina.

Sulphur, Oklahoma, há pouco mais de 14 anos. Uma família amish formada por um casal infértil encontra à sua porta um bebê com apenas alguns dias de vida. Todos na comunidade, que segue a risca os preceitos da Bíblia cristã, descreveram que um anjo luminoso desceu a casa desse casal e os abençoou. Durante os 6 anos, 4 meses e 19 dias seguintes fui criado na mais exemplar tradição amish. Até que certo dia sonhos premonitórios começaram a se manifestar. No início era coisas simples, como adivinhar que ia chover ou que receberíamos alguma visita incomum. Os meses passaram e coisas mais sérias passaram a ser previstas, como a morte de alguém ou a formação de um furacão. A comunidade ficou dividida: alguns achavam que eu era um profeta de Deus, outros do Diabo. Bom, até que eles não erraram tanto, não é? Prolongou-se por mais um ano esta situação esquisita, até que no meu aniversário de 8 anos decidi por mim mesmo abandonar a comunidade. Acredito, sinceramente, que meus “pais” ficaram aliviados. Apesar da pouca idade, minha inteligência excepcional ajudou-me a superar com relativa facilidade os problemas que apareciam. Minhas profecias, que agora surgiam “magicamente” através do rearranjo das letras nos livros que lia e mais raramente por sonhos, guiavam-me frequentemente pelo caminho mais vantajoso possível. Chegando à capital do estado, procurei o serviço de assistência social e solicitei ajuda. Em pouquíssimo tempo fui encaminhado para um colégio interno, onde minhas habilidades intelectuais não demoraram a se destacar. 13 dias depois fui transferido para a turma do 1º ano do segundo grau e após 4 meses para a do 3º ano. Mais 6 meses e concluí o Ensino Médio. Agora recém-formado médico e prestes a começar a especialização em traumatologia, sigo minha vida ajudando os humanos.

Deseja saber como foi a visitação de Apollo para mim? Há 4 anos e 9 meses estava na biblioteca da universidade quando um professor que nunca tinha visto antes se apresentou a mim e perguntou se poderíamos debater sobre alguns dilemas morais que muitas vezes assolam os homens de bem. Não estranhei o pedido porque no dia anterior eu havia defendido uma tese sobre Ética na Medicina que foi muito elogiada pela comunidade médica local (e dias depois mundial, procure na internet), então aceitei de bom grado a oportunidade. O professor era um grande conhecedor da humanidade e esclareceu muitas dúvidas que eu ainda tinha naquela época, mas ele não se revelara como meu pai, ainda. Isto aconteceu precisamente 1 semana depois: no mesmo canto da biblioteca da outra ocasião, após perguntar se poderíamos conversar novamente, ele tocou em minha testa e me deixou inconsciente por um período que jamais saberei. Ao acordar eu estava deitado numa luxuosa cama de design Greco-romano antigo fortemente iluminado por um clarão semelhante ao sol vindo de todas as direções. Ao buscar por meus óculos, não pude perceber de imediato que não eram os meus originais, devido ao conforto e perfeita correção de minha miopia. Não só isso: enfim consegui ver claramente através da forte luminosidade.

Atravessei salões que pareciam revestidos em ouro, onde circulavam sorrindo e me prestando reverências os mais diferentes seres feitos de luz, alguns até pareciam anjos! No saguão principal, sentado em um trono de ouro e marfim, estava o professor com quem debati durante horas na semana anterior. Era Apollo, que se levantou e me ofereceu seu lugar no trono. Extremamente excitado e empolgado, meu pai não parou de falar da satisfação de finalmente poder se revelar a mim e me dizer suas expectativas. Contou-me sobre a Guerra, sobre os seres míticos e sobre boa parte de minha herança de alegrias e dores nesse conflito. Fiquei maravilhado. Pela primeira vez na minha vida algo fazia sentido para mim. Eu já sentia que possuía um papel especial a desempenhar no mundo, mas não entendia qual. Tudo mudaria a partir daquela revelação. Minhas convicções se tornaram ainda mais fortes e tudo farei para amenizar o sofrimento dos humanos durante a Guerra. Sobretudo sou realista: haverá baixas e não poderei evitá-las... ainda!

Angelo, 14 de março de 2010.

15 comentários:

Robert disse...

Angelo,
mais uma pj inesquecível, muito bom mesmo, mais 8 xp.
Grande faltou novamente a parte de como ele esta inserido em NY, como chegou lá? qual bairro mora?, detalhe cuidado ao escolher um bairro de manhattan mais próximo do bronks e brooklin que hj são bairros de classe média, um deles é o bairro brasileiro.
Quanto a profecia o poder como vc mostrou ficou interessante e vamos fazer ajustes nele domingo, ; ),posso usar um gancho que vc deixou? - ideia vc esta fazendo rezidencia na NYU em Upper Westside, pode ser?
Diogo, ficou faltando um boon animal.
abraços

Pele-de-Escama disse...

Muito obrigado, caro amigo. Mesmo lembrado desses detalhes que você citou, optei por não acrescentar essas informações para nao deixar o texto muito longo. Dito isto, vamos a elas:

1. Excelente tua ideia dele fazer residência no hospital universitário de Nova York. Aproveitando tua deixa, afirmo que ele foi transferido para realizar sua especialização em traumatologia nesse hospital devido ao grande renome que esta instituição tem no tratamento de fraturas e outros traumas osseomusculares severos.

2. Ele decidiu morar numa igreja que fica em um dos bairros mais pobres de Nova York (a tua escolha), onde convive diariamente com boa parcela da população carente da cidade, pois lá ele sabe que faz a diferença. O padre da paróquia não cria problemas com ele e quase todos na comunidade gostam muito de Black, que retribui o afeto com sinceridade. Sua FATEFUL AURA é muito baixa, e raramente atrai confusão ao bairro.

3.
Uso 5 XP para comprar Math Genius
Uso 2 XP para comprar o 4º dot em Medicine
Reservo 1 XP para avanço de Lenda

vei tiba disse...

Ok, grande computado as mudanças,
quanto a aura fatal, vc realmente esta certo já que quanto menor for a lenda menor será seu cheiro para os monstros. Quanto a névoa vou usa-la da seguinte forma pontuei níveis de névoa por toda NY, há áreas que ela esta baixa logo vc's conseguirão enxergar todo o mundo sobrenatural, em locais onde ela é alta vai requerer um teste de lenda para visualização do mundo sobrenatural.
Como vc é um super-dotado e esta numa comunidade carente, vc se importa de dar aulas de ciências no colégio local?
abraços

Anão Picareta disse...

gente foi mal aí, tou cheio de coisa p/ fazer aqui o trampo e admito que tou meio sem cabeça agora p/ pensar no PC novo.

Aproveitei o find p/ fazer um coisa que não fazia a tempo: descansar e curtir meu piá! Acabei por não pensar em Scion por causa disso!

Tiba gostaria de saber se tu vai permitir reliquias que melhorem um knack ou não e que simulem um boon.

Meu PC novo será um estoniano (nascido na estonia) lutador de greco-romana (não sambô greco mesmo), muito habil que usa o esporte como fuga para os seus rompantes de fúria. Garoto de rua, Ragnar Klavan, viveu em um orfato por toda a vida até que decidiu fugir. Sua mãe morreu no seu nascimento e seu pai (até o que ele sabe) o abandonou mesmo antes do nascimento. Em geral é um cara calmo porem pavio curto, REALMENTE CURTO. No orfanato ele namorava uma guria chamada Prii Panso quem ele gostava por d+ (e ainda gosta) que foi adotada com 12 anos (na época ele tinha 14 anos - hj em 16). A adoção dela foi a gota para que fugisse (afinal não havia mais nada que lhe fisse ficar nequele lugar imundo).
Prii foi adotada por uma familia americana e 2 anos depois ele soube que ela estava com problemas na america (mesmo sem saber que problemas). Ragnar frequentemente voltava ao orfanato à espera de alguma carta dela e a única que chegou foi com problemas!
Embarcou como clandestino em um navio mercante para os EUA e nesse momento Rangar é um imigrante ilegal recem chegado aos EUA (1 mes aproximadamente) a procura de uma apaixonite adoslescente.

PS: Só para constar comecei esse post antes das 14 só vim terminar agora 15:20 de tantas interrupções (por isso tb o ar de post corrido).

T+

Pele-de-Escama disse...

Diogo,

Ah, o amor...
nada melhor para motivar um homem...

OU DESTRUÍ-LO POR COMPLETO!!!

Ahahahahah! Todos conhecemos as histórias de Jigsaw, Darth Vader, Hulk (sua única fraqueza)...

Ele aprendeu luta greco-romana nas ruas?

Tibúrcio,

Sem dúvida, meu caro, Black estará engajado, voluntariamente, em qualquer atividade da comunidade onde consiga melhorar a qualidade de vida das pessoas. Isso inclui dar aulas não apenas de Ciências mas de qualquer disciplina, prestar serviço no posto de saúde durante algumas horas do dia, ser um dos conselheiros do síndico do bairro etc.

Anão Picareta disse...

Calma angelo!

Isso foi um resumo, e perceba que eu deixei um intervalo de 2 anos sem nenhum comentário ;).

Pergunta: os atributos estão permitidos como? Até 5 com pnt de bonus ou livre?

Robert disse...

Caro diogo, este histórico só ficaria melhor se ele não soubesse que é filho de um DEUS, já que o gancho do amor para ir aos EUA é perfeito. Não permitirei reliquias que combem kancks, mais permitirei rel que simulem boons ou outros poderes. quanto aos atributos até 5 com bonus.
abraços

Pele-de-Escama disse...

Tibúrcio,

Com esta tua decisão de permitir atributos com valor 5 apenas com o gasto de pontos de bônus, terei que modificar a ficha de Lawrence e grande parte de seu histórico, infelizmente. Afinal, mesmo que seja alta uma inteligência 4, ela não caracteriza um supergênio, mesmo durante a adolescência.

Pena. Verei o que posso fazer.

Pele-de-Escama disse...

Alterações realizadas. História inalterada.

- O 5º dot de Intelligence passa a ser o 3º dot de Wits
- O 5º dot de Intelligence é comprado com 4 pontos de bônus
- Solipsistic Well-Being muda para Damage Convertion
- Removido o Knack Fast Learner
- Followers lv 3 (5 Spartoi) muda para Followers lv 2 (10 Beat Soldiers)
- Join Battle muda para 5

Ademais, observar as seguintes alterações nas compras com XP vistas no 2º comentário desta postagem:

- uso 5 XP para comprar o Knack Fast Learner
- uso 2 XP para comprar o 4º dot em Medicine
- Reservo 1 XP para comprar Lenda 3

Robert disse...

Ok escamoso,abraços

Anão Picareta disse...

tiba
Me diz 1 coisa: aquelas catadas e piloes ala zangief tu vai considerar clinch ou desarmado pesado?
Outra: por ser adolescente pode lenda 4?
Há limite p/ o n. de reliquias? Ele poderia ter recebido as reliquias de outra pessoa (q nao odin) e nem saber q sao "magicas"?
Tenho 2 versoes do mesmo pc (1 c/ lenda 3 e outra c/4) mas preciso dessas resp p/ definir (sinceramente achei o de lenda 3 mais forte).
As reliquias foram bem "arroz c/ feijao" bem basiconas. Amanha posto o(s) pc(s).
T+!

vei tiba disse...

Diogo vai depender da descrição e do terreno,
pode desde que ele seja filho de um dos grandes,
não mais a reliquia só poderá ter no maximo nivel três.Se ele não souber que é filho daquele DEUS ele a usa sem saber como em percy.
abraços

Anão Picareta disse...

"não mais a reliquia só poderá ter no maximo nivel três."

desculpa não entendi essa parte. entendi o nivelk max da reliquia, mas não esse "não mais..."

Felipe disse...

Teu Background ta realmente empolgante cara, envolvente, prazeroso de se ler. Mais um trabalho impecável

Pele-de-Escama disse...

Obrigado, Felipe! Sempre em busca do aprimoramento!

Follow the New World Order

Follow the New World Order
Follow the New World Order