segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Resumo da sessão de D&D 3.5 ocorrida sábado, 24.10.09


Saudações cordiais, camaradas.

Mais uma vez, Lucas, agradeceria se você pudesse enriquecer a campanha com informações adicionais.

Por volta da meia-noite, quando o trio caminhava em direção a Vialya, a cidade dos elfos, conduzindo Klaus para ser julgado por sua conspiração, Miroundel lembrou a Zabu e Chaldmyr (cuja raça permanecia desconhecida) que humanos não eram bem vindos na cidade. Querendo evitar confusão desnecessária, Zabu se despediu de seus companheiros e disse que retornaria para Ravina dos Trovões para reportar ao prefeito seus feitos e aguardaria por eles por até dois dias, quando então continuaria a busca por sua irmã. Nas proximidades da caverna dos goblins anteriormente ignorada por eles, Zabu resolveu investigar se Anya estaria naquele local ou talvez passado recentemente por lá. Na entrada parcamente iluminada pela luz de sua tocha, sem ouvir nada vindo do interior, Zabu berrou a plenos pulmões: “ANYAAA!!!” que ecoou por vários segundos.
Depois de alguns momentos ouvindo ao longe uma mistura de sons de passos e vozes baixas, obteve como resposta um “Foi embora”, falado por um goblin oculto nas trevas. Esperançoso, Zabu insistiu dizendo que não queria confusão, só desejava saber em que direção ela havia ido. Como não mais recebeu respostas, decidiu pegar seu cavalo e retornar à Ravina dos Trovões. Prestes a partir surgiram dois goblins na entrada da caverna, um deles armado com uma azagaia pronta para ser arremessada. Zabu arriscou mais uma vez perguntar por sua irmã, reforçando que não queria confusão. E ainda que estivesse com o escudo erguido, completamente na defensiva, o goblin conseguiu acertar a azagaia em cheio no seu ombro. Percebendo que não teria qualquer colaboração saiu em disparada pela trilha, ouvindo o escárnio dos goblins em relação a sua covardia diante da Tribo da Flecha Quebrada. Arquibaldo, é claro, o acompanhou.
Por aquela trilha em aproximadamente meia hora Zabu chegaria à cidade. Mas “no meio do caminho tinha uma pedra”, ops!, uma doninha, que resolveu simplesmente cruzar a trilha de um lado a outro despreocupada. O guerreiro também seguia tranquilo, até que uma grande coruja gigante surgiu vinda do céu em sua direção! Ele se encolheu junto ao cavalo e então percebeu que a grande ave estava tentando capturar a doninha, que muito esperta correu para baixo do cavalo na esperança de se proteger da predadora. Começou um balé: o carpinteiro e seu cavalo “sapateando” na tentativa de sair de cima da doninha, que cada vez melhor se refugiava sob o quadrúpede, enquanto a coruja parecia reavaliar se o cavalo não seria melhor refeição! Zabu desceu do cavalo e atacou a ave, que inicialmente pareceu ficar intimidada com o ferimento que sofreu. O cavalo partiu em disparada para longe, Arquibaldo tinha sumido da vista e a coruja parecia ter esquecido completamente de seu alvo original. Zabu não estava com sorte, e recebeu severos ferimentos. Então decidiu se embrenhar numa mata cerrada que margeava a trilha, conseguindo impedir que a coruja gigante continuasse seus ataques. Descansou e usou algumas das bandagens de seu kit de primeiros socorros e ficou contente de rever seu velho amigo canino, que havia se refugiado na mata durante o combate.
Avançando por dentro da mata acompanhando visualmente a trilha em direção a Ravina dos Trovões, Zabu chegou a um rio de forte correnteza e pelo menos uns quinze metros de distância até a margem oposta. Como a trilha terminava ali, estudou os rastros de seu cavalo para saber que direção ele tomara. Notou que ele seguira para uma ponte de madeira próxima. Lá chegando viu seu cavalo partir em disparada novamente. Mas havia motivo: a mesma coruja gigante voltou a atacar! Desta vez não havia uma mata próxima o suficiente para Zabu se abrigar, então mesmo carregando muito peso e sem saber nadar ele mergulhou no rio, segurando-se à ponte de madeira e afundando na água a cabeça sempre que percebia a coruja atacando. Mas pelo visto a ave gostou muito do sabor do sangue dele, insistiu tanto que acabou içando-o com suas garras poderosas para se banquetear.
Eis que o corajoso e velho vira-lata Arquibaldo, numa demonstração única de verdadeira amizade, fez um último esforço tentando atacar a coruja, mas “calculou” mal o salto e acabou caindo no frio e caudaloso rio.
Vendo a agonia de seu querido amigo ao ser arrastado para longe e lembrando-se de sua principal motivação para ter chegado até aqui, Zabu começou a se debater e ferir as patas da predadora com sua adaga. Farta de tantas injúrias, a ave largou sua presa de uma altura de mais de 20 metros. Em pânico, Zabu instintivamente conseguiu alinhar seu corpo de forma a sofrer o mínimo de dano quando atingiu as águas frias do rio. Afundando rapidamente, ele se livrou de tudo que carregava para lutar por sua vida. Cada segundo que passava era um teste de resistência ao frio e ao forte impacto contra as rochas no percurso. A morte por exaustão estava a um fio de navalha de seu pescoço. Então, por vontade dos deuses ou simplesmente pelo mais absoluto lance de sorte, no último resquício de fôlego que possuía Zabu alcançou a margem do rio. E desmaiou.
Sol a pino do dia seguinte, ainda deitado à margem do rio, um halfling buchudo o acorda. Incrédulo mas extremamente feliz por estar vivo, Zabu dança com o pequeno e grita agradecendo aos deuses por ter sobrevivido. Jay, o halfling que Zabu descobriu posteriormente ser um comerciante de ervas, questiona o que aconteceu e como chegou até ali. Ainda que desconfiado com a história contada pelo guerreiro, Jay oferece estadia em sua casa para que ele restabeleça suas forças. No caminho até o local Jay contou que Arquibaldo estava a salvo e sugeriu que nunca mais ele se aventurasse por aquela região a noite, por ser muito perigoso.
O rico e bem sucedido comerciante morava numa “toca” encravada na montanha e construída com maestria, possuindo vários cômodos. Ao descobrir que Zabu era um carpinteiro revelou já ter sido um grande artesão em madeira na juventude. Desejoso de agradecer por todo o apoio que estava recebendo, Zabu ofereceu-se para esculpir uma imagem do comerciante. Jay pediu aos empregados que providenciassem toras de madeira para que ele trabalhasse. Concluiu o trabalho naquela mesma tarde admitindo, porém, estar insatisfeito com o resultado, pois a escultura ainda não exaltava a essência de seu mais novo amigo. Sentindo-se desafiado por seu próprio fracasso, o carpinteiro disse que trabalharia sem descanso do final da noite até o raiar do dia seguinte se necessário, mas esculpiria uma verdadeira obra-prima, cuja essência e personalidade do halfling pudessem ser percebidas até pelo mais tolo dos kobolds. Porém o ferimento ainda aberto no ombro e a preocupação com a irmã afetaram sua habilidade, e foram necessárias três tentativas para que alcançasse a qualidade que buscava. Com os olhos vidrados e o corpo exausto, desmaiou ao ver os primeiros raios de sol.
Uma serviçal de Jay o conduziu até um aposento dimensionado para o tamanho humano onde pode descansar até o final da tarde. Quando reencontrou seu anfitrião teve a alegria de ver que seu amigo havia apreciado seu trabalho e combinaram que isso ainda não seria suficiente para recompensar o halfling pela ajuda. Quando precisasse de qualquer coisa bastaria Jay procurá-lo em Rock Seed. Na manhã seguinte Zabu retornou a Ravina dos Trovões, presenteado com um equipamento básico para aventuras e um kit de carpintaria encantado, que ele supôs ter sido usado pelo halfling em sua juventude.

En Taro Adun!

14 comentários:

Pele-de-Escama disse...

Saudações cordiais, camaradas.

Lucas,
Liguei pra você mas só caia na caixa postal. Enviei um SMS pro teu número e ainda não tive retorno. Assim, conforme combinado, estou confirmando por escrito minha presença na sessão de sábado, no Paço às 14h. Se possível chegue por volta deste horário e avise aos outros, pois a demora para começar o jogo está grande. Espero que você e os outros possam aparecer.

Ao grupo,
Antes de dizer que comparecerei no domingo, gostaria de saber a disponibilidade de todos porque se apenas Diogo (como das últimas vezes) e eu pudermos aparecer vou marcar outro compromisso. Precisamos jogar para não desanimar, pessoal!

Não gostaria de passar novamente pela tristeza de ficar meses (na verdade anos) sem jogar uma campanha regular. E quero fazer o melhor possível pela campanha de Scion, com o mesmo empenho que procuro ter com a de D&D. Não quero mais perder oportunidades.

En Taro Adun!

Anão Picareta disse...

Galera,

Bem acredito que apenas eu e angelo poderemos jogar no domingo, então gostaria de saber se tem como jogar de penetra amanha ;) se der p/ levar um pc pronto p/ mim (pode ser o meu anão L2 que morreu p/ carniçal L6).

Gostaria de confirmar tb se haverá a sessão de sabado mesmo (ps: só poderei jogar nesse sab provavelmente.)

Pele-de-Escama disse...

Hail, Diogo!

Meu chapa, está confirmada a sessão de amanhã, sábado, às 14h no Paço. Acredito que daria pra encaixar sem dificuldade um personagem, pois a campanha está naquele momento "entre aventuras", ou seja, aguardando o velhinho aparecer na taverna a procura de bravos herois.

Entretanto, a decisão é de Lucas. E apesar de saber que quase todos os sábados tu labuta na reitoria, gostaria muito mais que não fosse uma one-shot de teu personagem, que fosse possível tu comparecer com frequência. Ficarei na torcida.

Caso tu leias este comentário em tempo hábil, tente ligar pra Lucas amanhã e pergunta. Estamos marcando esses encontros por telefone porque ele está com dificuldade para acessar a net.

Até breve, tomara que tu apareças.

Hugo Leonardo disse...

Diogo, agora entendo pq tu gosta mais das morenas. To quase enjoando de ver loiras e negras aqui no sul xD

Cochise César disse...

Olá. Eu sou Cochise César e já tentei fazer isso uma vez e não deu certo, mas pode ser que agora dê.

Quero convidar você a contribuir com um portal colaborativo de RPG. Um lugar onde apareçam só os posts mais importantes, independentemente de quem seja o autor ou em que site ele esteja.

Uma forma de tornar mais visível o conteúdo importante.

Para isso é preciso apenas que quando escrever um post importante faça um resumo dele e submeta para nós em http://rpgbrasil.co.nr/

Se quiser apoiar o projeto pode também adiconar nosso banner ao seu site http://i33.tinypic.com/2uh20pw.jpg

Abaixo segue um "release" do RPG Brasil.

O RPG Brasil é um agregador colaborativo.
Isso quer dizer que ele é um site “grande”, mas que vive de doações de conteúdo da comunidade. A idéia é que qualquer um possa “doar matérias”, inclusive eu.

Todos os blogs tem posts relevantes e não relevantes. Agregadores tratam todos da mesma maneira. Colocal todos eles listados lado a lado. Separar os artigos que realmente valem a pena ser lidos dos que não valem é uma tarefa difícil.
Mas há mais blogs do que se pode acompanhar, (aproximadamente 150) portanto seria necessário uma grande equipe para fazer uma seleção doque realmente importa.
Agregadores colaborativos partem do princípio da autocensura para resolver esse problema.
O autor sabe que os comentários que fez sobre as férias não são relevantes para pessoas que não sejam seus amigos. E ele sabe que o review de um jogo ou o novo NPC que criou é.
A ideia é que ele divulgue seus posts relevantes para a comunidade através desse site. Assim, o melhor conteúdo da blogosfera é indexado aqui.
Não publicamos aqui matérias completas, apenas chamadas, então o leitor interessado tem que ir ao blog de origem da matéria para lê-la por inteiro.
Nesse negócio ganha o leitor ganha por ter acesso a um conteúdo filtrado e o autor ganha por aumentar suas visitas e visibilidade

Pele-de-Escama disse...

Saudações cordiais, Cochise César.

Por consideração a você, pelo trabalho que teve e pela visita, te informo que eu, Pele-de-Escama, sou apenas um colaborador. Deixarei a decisão com o dono do blog, o Meu nome é Tonho, ok?

Sucesso na empreitada.

Pele-de-Escama disse...

Confirmo minha presença para a sessão deste sábado, 07.11.09, às 14h no Paço.

Caso leias este comentário antes da sessão, Lucas, gostaria que você detalhasse os ganhos de experiência até o momento. Como já disse anteriormente, tenho o hábito de registrar para análise posterior esses dados de forma a buscar melhorar a cada dia.

Anão Picareta disse...

Por sinal estou vendo a possibilidade de jogar nesse sabado. Caso positivo gostaria de perguntar para lucas se posso comparecer e SE POSSO fazer outro personagem. Seria um goliath guerreiro classico. estou pedindo pois não me adaptei ao monge (independente da raça) não me entendi. E para risada geral da nação:
o monge é muito filosofico, quero algo mais bate primeiro pergunta depois (classico meu :P).

QQ coisa posta a possibilidade aí.

Diogo.

Pele-de-Escama disse...

Diogo, meu chapa, que Lucas não se ofenda por eu responder por ele uma ou outra coisa:

1. Você podendo comparecer, nem precisa perguntar: vamos jogar!

2. Quanto ao goliath guerreiro só com ele mesmo. Pena que serão três guerreiros num grupo de três... vai ser uma boa experiência se ele permitir.

3. É melhor que ligues para Lucas, pois aguardar a resposta pela net não é mais garantido pelas dificuldades que ele anda tendo. Por sinal, ontem quando falei com ele pela manhã ele disse que ia te "encharcar" até você se convencer a aparecer.

Já fiz o resumo da última sessão, mas ainda não postei porque não estão sendo acrescentadas correções, comentários ou informações complementares (como acontecia com Scion) então fiquei com a impressão que a iniciativa não estava fazendo diferença por enquanto. Mas com teu retorno, Diogo, estou com a sensação que o grupo logo vai se animar pra jogar com mais frequência e todos poderão colaborar com ideias e debates.

Meu Nome É Tonho disse...

Diogo, por mim tá ok, leva a ficha do guerreiro pronta.

E alguém bata em Hugo, por favor. E digam que se ele não trouxer loiras na mala vai apanhar mais.

Pele-de-Escama disse...

Para exemplificar o que quero dizer com informações complementares, citarei aqui o que penso em fazer no futuro próximo para que Lucas possa planejar previamnte o melhor rumo (ou seja, preparar a aventura considerando sucesso ou fracasso das ações que pretendo realizar):

1. Quando Zabu passar de nível, as alterações serão: Força +1, Talento Ataque Poderoso, Perícias: Ofícios (carpintaria) +1, Cavalgar +1, Natação +1, Adestrar Animais +2, +1d10 pv;

2. Seria importante saber exatamente qual magia com efeito de compulsão o João Babão lançou em Zabu, para saber quanto de liberdade ele terá para realizar outras ações que não sejam resgatar o corpo de Anna Varee;

3. Independente da força da compulsão, apreciaria o desafio de jogar sob efeito de todas as penalidades que a compulsão acarretará por Zabu se afastar da missão de resgate nesse primeiro momento, pois estará sempre em conflito com sua responsabilidade em proteger a irmã (que continuará a missão de caçar os goblins da Tribo dos Chifres Sangrentos);

4. Usando seu conhecimento de engenharia e seu kit de artesão mágico, Zabu comprará madeira, cordas e roldanas e construirá caçambas de madeira-ferro que formarão um sistema levadiço de remoção de entulhos, ajudando os elfos de Vialya em todo o processo de resgate.

5. Durante o período em que estiver construindo as caçambas, esculpirá uma nova clava, tentando inclusive fazer uma obra-prima.

Tenho outras ideias, mas como disse quis apenas exemplificar, e também pretendo ter o mínimo de atrito com os objetivos dos outros jogadores. Das ideias citadas acima, farei o possível para não atrapalhar os planos dos outros personagens.

Pele-de-Escama disse...

Hail, Lucas, alguma novidade sobre outros os outros caras interessados em jogar? Se Diogo puder se tornar mais regular acho que a campanha promete, hein? Tô gostando.

Pele-de-Escama disse...

Bom, acho que tu já foi dormir.

Concluirei dizendo que reconheço que meus textos não deveriam se chamar RESUMOS, pois são muito grandes e talvez com detalhes em excesso. Mas acredito que aqueles com paciência de ler até o final conseguem ter uma boa ideia do que ocorreu na sessão.

Tudo de bom, mantenham contato.

Anão Picareta disse...

Lucas valeu por deixar (PS: isso é o dessespero pela falta de jogadores??? :P).

Bem de acordo com minhas investigações eu estou confirmado no sab. A não ser que acontece algo o prorio sabado que eu não possa comparecer, mas eu ligo avisando.

Escamoso, não pare de escrever os resumos, tá bem interessante. Eu li os 2 e achei bem interessante, eu pelo menos tenho o costume de ler e não postar.

Follow the New World Order

Follow the New World Order
Follow the New World Order